O pior Comercial da história - Comissão Técnica


Nada nessa vida acontece por acaso. A queda do Comercial para a Série A3 do Campeonato Paulista tem explicação. Foi uma tragédia anunciada.

Te convido, nesta série de três matérias, analisarmos profundamente as razões da vergonha ao qual a torcida alvinegra passou. Ontem falamos sobre os atletas, hoje iremos falar sobre a Comissão Técnica. 

Comissão Técnica 

O Comercial iniciou a sua preparação para a série A2 de 2024 cheio de esperança por parte de uma nova diretoria executiva, que iria suceder um período de 6 anos do antigo presidente, cuja última Copa Paulista havia sido um verdadeiro desastre. Havia a expectativa de uma campanha melhor do que a realizada naquele próprio ano na série A2, onde o Leão acabou ficando nas quartas de finais do Campeonato Paulista.

Diante disso, em setembro do ano passado a expectativa era grande pela contratação do novo treinador do Comercial. E dentre os nomes que surgiram a época, a diretoria do Leão contratou o treinador Luiz Carlos Martins que já havia subido o clube para a primeira divisão do Campeonato Paulista no ano de 2013. De forma unânime, todos da imprensa e da torcida alvinegra aprovaram a contratação do experiente treinador. Com fama pelos seus vários acessos durante a sua carreira, parecia a todos ser a escolha certa para levar novamente o Comercial a primeira divisão.

Na apresentação, Martins ressaltou a história do clube e também as necessidades de cuidar da estrutura do Comercial. Falou sobre o gramado de Palma Travassos, sobre alimentação dos atletas, sobre a necessidade de jogar com a camisa inteiramente branca e sobre a expectativa de fazer um grande ano no Comercial. Também foi exigido pelo treinador a contratação do diretor de futebol Acleisson, que já havia trabalhado no clube, além do seu auxiliar técnico Wellington Benho e do preparador físico Djair.

Assim, o tempo foi passando e aumentando a expectativa pelas contratações. A princípio, o plano da comissão técnica era claro: contratar jogadores novos, com potencial, com altura e que fizessem em campo mais de uma função. Jogadores sem experiência na divisão foram contratados, contudo, ainda havia a confiança de todos no treinador pelo trabalho feito no próprio Comercial e pela carreira do mesmo. Amistosos foram feitos contra times fracos, como o próprio sub-20 do clube, selecionados de cidades próximas e contra a Matonense time que foi rebaixado da terceira para a quarta divisão. Assim, com a promessa de contratar mais jogadores no decorrer da competição para reforçar o elenco, o Comercial iniciou a sua caminhada na série A2.

O início do campeonato foi tenebroso: O Comercial era um time mal treinado, mal escalado e com um preparo físico terrível. Jogadores ruins tecnicamente, se machucavam e desfalcavam o clube rodada após rodada. O clube, perdendo jogo atrás de jogo e o técnico, na sua extrema teimosia, insistindo com jogadores que não tinham a menor condição de jogar uma série A2. Para ilustrar este fato, em uma de suas poucas entrevistas (porque ele não concedia entrevistas coletivas após as partidas) foi questionado por mim sobre a insistência na escalação do goleiro Alan, que havia cometido uma série de falhas até o presente momento, sendo que o Comercial havia contratado o goleiro titular do Xv de Piracicaba da Copa Paulista. LCM respondeu que era porque o goleiro era mais alto (realmente ele era 1 centímetro mais alto!). Assim, na sexta rodada, após a derrota para o São Bento em Jaú, o Comercial decide mandar o técnico e toda sua comissão embora. Após contar com um interino no jogo contra o Primavera o Leão, com a ajuda de um investidor ao qual negocia com o clube a constituição de uma SAF, decide pela contratação do técnico Vagner Lopes.

Foi com Vagner o melhor momento do Comercial na competição. O time, ainda contando com jogadores fracos, parecia um time melhor treinado. Mesmo tendo ficado apenas três jogos, o Comercial na última partida do treinador contra o Oeste em Palma Travassos chegou muito perto da vitória, sofrendo o empate no último lance da partida.

Neste mesmo dia, Vagner Lopes entregou o seu cargo de treinador, pegando a diretoria do Comercial de surpresa. Para o seu lugar, foi contratado o treinador Ademir Fesan, que em quatro jogos até agora colecionou quatro derrotas, e pouco pode fazer com um time cuja qualidade de seus jogadores passa longe daquilo que é exigido na série A2.

Enfim, para concluirmos esta parte, podemos afirmar categoricamente que um dos motivos do Comercial ter sido rebaixado para a série A3 do Campeonato Paulista é o péssimo trabalho realizado pela primeira comissão técnica do clube: o senhor Luiz Carlos Martins, mesmo sendo um profundo conhecedor do futebol, juntamente com seu diretor de futebol, contrataram jogadores inexperientes para a divisão, jogadores completamente desqualificados para a A2. Eu pergunto, por que Martins não trouxe jogadores aos quais ele havia treinado no Noroeste, sua antepenúltima equipe, ao qual ele ficou no comando técnico quase três anos? Segundo informações da época, haveria um conflito de interesses familiares, já que o seu filho continuou seguindo como assistente técnico da equipe de Bauru. 

Mas isso obviamente é apenas um detalhe insignificante, pois, pela experiência no futebol que possui, o senhor Luiz Carlos Martins conhece muitos atletas, pois a série A2 de maneira nenhuma é um campeonato desconhecido a ele. Esta campanha tenebrosa realizada pelo Comercial na série A2 em 2024, na minha visão, mancha para sempre a história deste profissional. Ele e toda sua comissão técnica, além do seu diretor de futebol receberam com honra o título de terem montado o pior comercial da história.

Comentários

Veja também

Leão perde jogo treino e 4 são dispensados

Entrevista - Presidente Campanelli

Torcida questiona contrato da Loja do Leão